terça-feira, 20 de outubro de 2009

Na corda bomba

O meu pai recebe-me sempre com duas palmadinhas nas costas depois de lhe responder que não, não tenho namorada. Sinto esses toques como uma mensagem de apoio, talvez de uma compreensão muda que pretende sublinhar a ideia de que faço bem em seguir só, que não me faz falta uma mulher que tivesse ele a minha idade e sózinho teria continuado também, sem responsabilidades, sem chatices, sem compromisso, mas com sexo. Com mais sexo do que o que a si chega hoje em dia e que, creio, desejaria que mais fosse.
Parecer-lhe-à que é uma permuta justa, que uma lacuna compensa o outro preenchimento. Não para mim, tenho a certeza que está enganado e procuro compensá-lo com duas palmadinhas também como que a responder às suas e a dizer não, pai, acredita que não é assim tão justa a troca.
E entendemo-nos.

4 comentários:

Malena disse...

Pois é! Os "one night stand" deixam esse amargo de boca se prolongados por muito tempo. Mas tem que procurar uma cura para esse desapontamento! 35 é uma excelente idade para a descobrir. :-)
Peço desculpa por me intrometer!!! É que gosto mesmo de ler os seus posts!

eu... disse...

O teu pai é tipo a minha mãe...

Sofia disse...

:)

@tt disse...

Os pais acham sempre que os filhos devem querer o mesmo que eles. =)) São pais, enfim...



Um Sol para ti...