domingo, 26 de junho de 2011

As paredes caem mais depressa que se erguem

A S. é pequenina e nota-se que lhe pesa o facto. Declara assiduamente que é "maneirinha" e que isso é muito bom enquanto transfigura o olhar para que note que está a ser libidinosa. Notei. Não aprecio a brejeirice mas compenso com um olhar compinchinha que a deixa mais segura. Revela que a maternidade lhe trouxe tudo de bom, que não se nota nada que foi mãe, que já devia ter sido há mais tempo. Não é totalmente verdade que não se note mas sempre ouvi dizer que água benta e presunção cada um toma a que quer. E adiciona-lhe sangria. Muita. Pergunto-me se não estará ainda a amamentar mas remeto-me ao silêncio. Faltará pouco para ser bombardeado com os motivos do pai ausente desde os 6 meses da filha de ambos. Está claramente ferida e numa primeira observação concluo que terá sido traída. É fácil, excesso de confiança, repetição de frases de auto-motivação alternadas com perspectivas masculinas miserabilistas são típicos de traição.
Reduzo o encontro a meio. Não pretendo ser mais uma história contada às amigas num contexto "tenho tanto azar".
Informa-me que está sozinha, a filha nos avós, quando a deixo em casa mas não me curvo sequer para a cumprimentar quando sai do carro. Mantenho as mãos sobre o volante, o braço direito entre mim e ela faz uma espécie de barreira que subentende não poder ultrapassar. Amanhã falará de mim como sendo quase de certeza gay e prefiro assim. Deixo-a sair por cima e feliz por não lhe dar a perceber que tem um longo caminho pela frente. De reconstrução.

2 comentários:

Provocação 'aka' Menina Ção disse...

Tenho esta dúvida presente sobre se será um distinto cavalheiro ou um perfeito cabrão. Dúvidas à parte, onde se nota que já foi mãe? Não me diga que ela ia de top com umbiguinho à mostra e calça descaída com cicatriz de cesariana visível :o

Pastelaria disse...

Olá

antes de mais , parabéns pelo blogue, gostei do que vi ! :)

Aqui fica o convite para visitar o nosso projecto DVB, de saber a sua opinião, e qual o interesse em desenvolver o seu trabalho neste novo formato.

\"Transformamos\" os seus trabalhos (já editados em livro, ou não), num DVB- Digital Video Book, uma ideia original da Pastelaria Studios Productions

O projecto é recente, é uma inovação, tal como explicamos no nosso blogue:

http://pastelariaestudios.blogspot.com/


É exactamente isso, os seus poemas seriam \" trabalhados \" em DVB . Um livro que se vê como um filme!


Não se trata do mesmo funcionamento duma editora , pois não somos uma editora e prestamos essencialmente um serviço criativo.

A minha sugestão seria, enviar-nos os seus \"registos\", e nós faremos um orçamento.

Posso adiantar que, por ser um projecto novo e, embora o trabalho criativo (audio, voz, imagem, construção do DVB, etc) seja bastante , os custos não são elevados pois queremos chegar ao maior número de autores de obras escritas mesmo que essas ainda estejam na "gaveta" .

a sua opinião é muito importante para nós, só assim conseguiremos crescer e melhorar , sempre ! :)



Fico a aguardar uma resposta e, qualquer dúvida… contacte-nos .

Um grande abraço desde aqui

Teresa Maria Queiroz