domingo, 13 de dezembro de 2009

O que olho, o que vejo

A procissão seguia, de onde me encontrava distinguia rostos mas não expressões, tal como a tua face que ao longo destes anos se tem desvanecido, passou de humana a uma imagem quase sacra daquelas figuras nas capelas mais antigas, uns lábios finos sem grande polpa, uns olhos grandes fixos numa convicção e uma tez pálida, vítrea, sem rubores que podiam ser emprestados por um sangue viciado em emoções. Sentia-me cansado, não porque caminhasse, permanecia parado, mas o burburinho e as orações em redor eram por si só suficientes para separar as pontas da já de si frágil corda que resistia em unir a minha integridade ao mundo dos vivos, sentia-me capaz de num suspiro mais convicto embarcar com a velha senhora para cheirar a brisa do outro lado do rio, prometesse-me ela uma ausência de multidão. Uns quantos desmaios, mãos em aceno, lenços brancos e velas, velas para saudar o senhor. Por momentos doeram-me palmas de mãos, peitos de pés, enfraqueceram-se-me joelhos, não ficou gota de suor retida sob a pele, saí de mim e a mim voltei sem que o corpo tivesse seguido a lado algum, caí de três andares e o solo soube-me bem, tinha uns cacos onde antes sentira dôr e as pernas torpes sem reacção, por cima de mim no andor desafiando a gravidade numa cruz, pregado por estacas que cumpriam os requisitos das estacas que eram, seguia a representação máxima do sofrimento que sentia, convicções, motivos e almas diferentes, sim, mas a dor, essa estava lá toda, numa máscara de olhos largados ao céu, de boca inconformada e sulcos de uma paixão incompreendida.
Sem ti, venha a barca então.

6 comentários:

Malena disse...

Meu caro Mais um Homem, isto começa a requerer tratamento médico...

provocação disse...

Começo a ficar frustrada, nunca ninguém gostou assim de mim, ou pelo menos nunca ninguém se sentiu tão tanta coisa em relação a mim :(
também quero um amor assim :') mas continuo curiosa do porquê da separação.

Calendas disse...

Venha então a barca...

Marylin disse...

Duas palavras: a-mei.
Pena que mesmo quem escreve bem não se consiga livrar de comentadores idiotas. Já pensou em fazer selecção de comentários?

Anónimo disse...

Gosto do modo como escreve. Acho-o amargo demais, mas paciência!
A sua admiradora Marylin tem muita graça!!! Deve pensar que é a única a poder comentar!!! Classificar os outros de idiota é mais idiota ainda. Acho que você deve ser crescidinho demais para ter defensoras, ainda para mais sem rosto oficial!!! Isto porque li os posts anteriores e observei o afinco desta sua indefectível leitora! Encarniça-se contra os outros de uma forma pouco normal...Já pensou em deixá-la seleccionar os comentários aos seus posts? :)))))

Susana Damião

Pedro Almeida disse...

Que show companheiro, já tens aí o mulherio à bulha pela tua atenção ;-)